TAMANHO Diminuir tamanho da fonte Aumentar tamanho da fonte
Destaques Imprimir

Ministro Lewandowski ressalta importância da Corte IDH para consolidação dos direitos humanos no Brasil


Em cerimônia de assinatura de memorando de entendimento nesta terça-feira (5), o presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Ricardo Lewandowski, destacou a relevância das decisões da Corte Interamericana de Direitos Humanos (Corte IDH) para o fortalecimento dos direitos humanos no Brasil. O memorando, assinado por ele e pelo presidente da Corte IDH, Roberto de Figueiredo Caldas, permitirá o acesso à jurisprudência daquele órgão jurisdicional em língua portuguesa por meio do site do CNJ.

O ministro Lewandowski observou, na solenidade, que a Constituição Federal brasileira é uma das mais avançadas do mundo em relação aos direitos humanos, mas, apesar de promulgada em 1988, até hoje alguns de seus aspectos não foram devidamente explorados. A Constituição também deu tratamento especial aos tratados e convenções internacionais sobre a matéria, que, ao serem internalizados por meio do Congresso Nacional, passam a valer como lei.

Um exemplo da aplicação desses instrumentos internacionais foi a iniciativa do CNJ de implantar em todo o país as audiências de custódia. O mecanismo, que garante aos presos em flagrante a presença de um juiz para avaliar a legalidade e a necessidade da prisão ou a possibilidade de aplicação de medidas cautelares diversas da prisão, está previsto em tratados e convenções internacionais assinados pelo Brasil, como o Pacto de Direitos Civis e Políticos e a Convenção Interamericana de Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos (OEA). “Não há legislação ordinária a respeito, mas o Pacto de San José foi internalizado pelo Brasil há mais de 20 anos, e isso jamais tinha sido aplicado”, afirmou.

O acesso rápido às decisões da Corte IDH em língua portuguesa, segundo o presidente do STF, vai enriquecer a atuação dos magistrados brasileiros. “As decisões da Corte IDH têm caráter vinculante, e o acesso a elas é um passo extraordinário para que os juízes tenham conhecimento do que faz esse órgão”, assinalou.

O presidente da Corte IDH, Roberto Caldas, que fez a entrega simbólica das mais de 200 sentenças que integrarão o acervo traduzido, lembrou que o Brasil exerce um papel de liderança no continente e na América Latina, e que sua população corresponde a quase metade dos cidadãos alvo da jurisprudência da Corte IDH. Caldas ressaltou o papel do seu tribunal como último intérprete dos instrumentos interamericanos de direitos humanos, e lembrou que a Convenção Interamericana é uma espécie de Constituição supranacional sobre a matéria. Ao fim, homenageou o presidente do STF e do CNJ “por ter abraçado os direitos humanos como um princípio maior de sua gestão”.

Fonte

Fale conosco
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - Brasil - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000